Quais os fatores de risco do Câncer de Mama

Estudos mostraram que o risco de câncer de mama é devido a uma combinação de fatores. Os principais fatores que influenciam seu risco incluem ser uma mulher e envelhecer. A maioria dos cânceres de mama é encontrada em mulheres com 50 anos ou mais.

Algumas mulheres vão ter câncer de mama, mesmo sem quaisquer outros fatores de risco que eles conhecem. Ter um fator de risco não significa que você terá a doença, e nem todos os fatores de risco têm o mesmo efeito. A maioria das mulheres tem alguns fatores de risco, mas a maioria das mulheres não tem câncer de mama.

  • Ser mulher

Apenas ser mulher é o maior fator de risco para o desenvolvimento de câncer de mama. Existem cerca de 266.120 novos casos de câncer de mama invasivo e 63.960 casos de câncer de mama não invasivo este ano em mulheres americanas. Enquanto os homens desenvolvem câncer de mama, menos de 1% de todos os novos casos de câncer de mama acontecem em homens.

  • Envelhecimento

Todo ser vivo está envelhecendo constantemente. E como com muitas outras doenças, o risco de câncer de mama aumenta à medida que você envelhece. O risco de câncer de mama aumenta com a idade sendo que maioria dos cânceres de mama é diagnosticada após os 50 anos.

De fato, o processo de envelhecimento é o maior fator de risco para o câncer de mama. Isso porque, quanto mais vivemos, mais oportunidades existem para danos genéticos (mutações) no corpo. E à medida que envelhecemos, nossos corpos são menos capazes de reparar danos genéticos.

  • História familiar

Mulheres com parentes próximos que foram diagnosticados com câncer de mama têm um risco maior de desenvolver a doença. Se você teve um parente de primeiro grau (irmã, mãe, filha) diagnosticado com câncer de mama, seu risco é dobrado. Se dois parentes de primeiro grau foram diagnosticados, seu risco é 5 vezes maior que a média. Em alguns casos, uma forte história familiar de câncer de mama está ligada a um gene anormal associado a um alto risco de câncer de mama, como o gene BRCA1 ou BRCA2.

  • Genética

Acredita-se que cerca de 5% a 10% dos cânceres de mama sejam hereditários, causados ​​por genes anormais transmitidos de pais para filhos.

A maioria dos casos hereditários de câncer de mama está associada a mutações em dois genes: BRCA1 (gene de câncer de mama um) e BRCA2 (gene de câncer de mama dois). Todo nós temos genes BRCA1 e BRCA2. A função dos genes BRCA é reparar o dano celular e manter as células da mama, do ovário e outras células crescendo normalmente. Mas quando esses genes contêm mutações que são passadas de geração em geração, os genes não funcionam normalmente e aumenta o risco de câncer de mama, ovário e outros tipos de câncer. As mutações BRCA1 e BRCA2 podem ser responsáveis ​​por até 10% de todos os cânceres de mama.

As mulheres que são diagnosticadas com câncer de mama e têm uma mutação BRCA1 ou BRCA2, muitas vezes têm uma história familiar de câncer de mama, câncer de ovário e outros tipos de câncer. Ainda assim, a maioria das pessoas que desenvolvem câncer de mama não herdou uma mutação genética ligada ao câncer de mama e não tem histórico familiar da doença.

É mais provável que você tenha uma mutação genética ligada ao câncer de mama se:

  • Você tem parentes de sangue (avós, mães, irmãs, tias) que tiveram câncer de mama antes dos 50 anos.
  • Há câncer de mama e de ovário no mesmo lado da família ou em um único indivíduo.
  • Você tem um parente (s) com câncer de mama triplo negativo.
  • Existem outros cânceres em sua família como próstata, pâncreas, estômago, tiróide, cólon ou sarcoma.
  • As mulheres da sua família tiveram câncer em ambos os seios.
  • Você é de origem judaica Ashkenazi (Leste Europeu).
  • Um homem da sua família teve câncer de mama.
  • Existe um gene do câncer de mama anormal conhecido em sua família.

Se um membro da família tem uma mutação genética ligada ao câncer de mama, isso não significa que todos os membros da família o terão. As mulheres que têm uma mutação BRCA1 ou mutação BRCA2 (ou ambos) podem ter até 80% de risco de serem diagnosticadas com câncer de mama durante suas vidas.

Os cânceres de mama associados a uma mutação BRCA1 ou BRCA2 tendem a se desenvolver em mulheres mais jovens e ocorrem mais frequentemente em ambos os seios. Mulheres com uma mutação BRCA1 ou BRCA2 também têm um risco aumentado de desenvolver câncer de ovário, cólon e pâncreas.

  • História pessoal de câncer de mama ou de certas doenças mamárias não cancerosas

As mulheres que tiveram câncer de mama são mais propensas a ter câncer de mama pela segunda vez. Algumas doenças não cancerosas da mama, como hiperplasia atípica ou carcinoma lobular in situ, estão associadas a um risco maior de contrair câncer de mama.

  • Radioterapia prévia em tórax

Se você realizou radioterapia no tórax para tratar um outro tipo de câncer (não o câncer de mama), como a doença de Hodgkin ou o linfoma não-Hodgkin, você tem um risco maior do que a média de câncer de mama. A quantidade de aumento de risco depende de quantos anos você tinha quando teve radiação. O aumento do risco é maior se você tiver radiação durante a adolescência, quando seus seios estão se desenvolvendo.

  • Estar com sobrepeso ou obesidade

Mulheres com sobrepeso e obesas – definidas como tendo um IMC (índice de massa corporal) acima de 25 – têm um risco maior de serem diagnosticadas com câncer de mama, especialmente após a menopausa. Estar acima do peso também pode aumentar o risco de câncer de mama voltar (recorrência) em mulheres que tiveram a doença.

Esse risco maior é porque as células de gordura produzem estrogênio e células extras de gordura significam mais estrogênio no corpo, e o estrogênio pode fazer com que os cânceres de mama positivos para receptores de hormônios se desenvolvam e cresçam.

  • Antecedentes obstétricos

As mulheres que não tiveram uma gravidez a termo ou que tiveram seu primeiro filho depois dos 30 anos têm um risco maior de câncer de mama em comparação com as mulheres que deram à luz antes dos 30 anos.

  • Amamentação

A amamentação pode reduzir o risco de câncer de mama, especialmente se a mulher amamentar por mais de um ano. Existem várias razões pelas quais a amamentação protege a saúde da mama:

  • a maioria das mulheres tem menos ciclos menstruais quando estão amamentando (somadas aos nove períodos perdidos durante a gravidez), resultando em níveis mais baixos de estrogênio
  • muitas mulheres tendem a ingerir alimentos mais nutritivos e a seguir estilos de vida mais saudáveis ​​(limitar o consumo de cigarros e álcool) durante a amamentação
  • Terapia de reposição hormonal 

Usuários atuais ou recentes da terapia de reposição hormonal (TRH) têm maior risco de serem diagnosticados com câncer de mama. Desde 2002, quando se vinculou a TRH e o risco, o número de mulheres em uso de TRH diminuiu drasticamente. Ainda assim, muitas mulheres continuam a usar a TRH para lidar com sintomas da menopausa incômodos.

A TRH com estrogénio e progesterona aumenta o risco de câncer de mama em cerca de 75%, mesmo quando usado por um curto período de tempo. Esse tipo de reposição também aumenta a probabilidade de que o câncer pode ser encontrado em um estágio mais avançado. O risco de câncer de mama aumenta durante os primeiros 2 a 3 anos

Já a TRH com apenas com estrogênio aumenta o risco de câncer de mama, mas somente quando usado por mais de 10 anos.

  • Ingestão alcoólica

Pesquisas mostram consistentemente que o consumo de bebidas alcoólicas aumenta o risco de câncer de mama. O álcool pode aumentar os níveis de estrogênio e outros hormônios associados ao câncer de mama positivo para receptores de hormônios. O álcool também pode aumentar o risco de câncer de mama ao danificar o DNA nas células.

Em comparação com as mulheres que não bebem, as mulheres que tomam três bebidas alcoólicas por semana têm um risco 15% maior de câncer de mama. Especialistas estimam que o risco de câncer de mama aumenta em mais 10% para cada bebida adicional que as mulheres têm diariamente.

  • Mamas densas

As mamas densas têm mais tecido conjuntivo do que o tecido adiposo, o que às vezes dificulta a visualização dos tumores em uma mamografia. Mulheres com seios densos são mais propensos a ter câncer de mama.

  • Tabagismo

Fumar provoca uma série de doenças e está ligado a um risco maior de câncer de mama em mulheres mais jovens na pré-menopausa. Pesquisas demonstram que pode haver ligação entre a exposição muito pesada ao fumo passivo e o risco de câncer de mama em mulheres na pós-menopausa.

Temas frequentes

Exames de Rotina e Alto Risco

No Brasil, o câncer de mama é o responsável por 28% dos novos casos de câncer diagnosticados todo o ano, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Além disso, é o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres e, para 2016, a estimativa do INCA era de 57.960 novos casos da doença.

SAIBA MAIS

História pessoal e familiar

Se você ou alguns de seus familiares tiveram câncer de mama, você pode estar interessado na possibilidade desta doença ter um carater hereditário em sua família. Para isso, a melhor maneira de começar é aprender mais sobre sua história da família tanto de sua mãe quanto de seu pai.

SAIBA MAIS

Cirurgias Redutoras de Risco

A mastectomia profilática é uma cirurgia para remover uma ou ambas as mamas para reduzir o risco de desenvolver câncer de mama. De acordo com o National Cancer Institute, a mastectomia profilática em mulheres portadoras de uma mutação do gene BRCA1 ou BRCA2 pode reduzir o risco de desenvolver câncer de mama em 95%.

SAIBA MAIS

Open chat
1
Olá, como posso te ajudar?