Alimentos a serem evitados na Gestação

  1. Peixes com altas taxas de mercúrio

Mercúrio é um elemento extremamente tóxico e não se sabe qual a dosagem de ingestão segura para humanos. Este metal é encontrado em aguas oceânicas poluídas. Em altas dosagens, pode ser tóxico para o sistema nervoso, imunológico e para o fígado, além de poder causar sérios problemas de desenvolvimento em crianças. Peixes marinhos grandes podem acumular consideráveis quantidades de mercúrio.

Grávidas são aconselhadas a consumir no máximo de 1-2 porções por mês destes tipos de peixes com altas taxas de mercúrio:

– Tubarão

– Peixe-espada

– Cavala verdadeira

– Atum (tipo albacora)

Nem todos os peixes são ricos em mercúrio e o consume de peixe com baixo teor de mercúrio é recomendado e saudável. Esse tipo de peixe pode ser consumido até 2 vezes por semana.

  1. Peixe cru ou malpassado

Peixe cru, principalmente mariscos, podem causar infecções graves, por bactérias vírus e parasitas, tais como o norovirus, vírus da cólera, salmonela e listeria.

Algumas dessas infecções só afetam a mãe, deixando-a desidratada e debilitada, porem outras podem passar a barreia placentária e causar graves infecções congênitas e até óbito fetal.

Gestantes tem 20 vezes mais chance de serem infectadas por listeria. Essa bactéria pode ser encontrada na água, plantas e solo contaminado. O peixe cru pode ser infectado durante o processo de secagem e defumação.

A listeria pode atravessar a barreira placentária sem mesmo a gestante apresentar sinal da infecção. Isso pode gerar algumas complicações fetais tais como: trabalho de parto prematuro, abortamento, natimortos entre outros.

Gestantes são aconselhadas a evitar peixe cru e frutos do mar, incluindo comida japonesa crua.

  1. Carne crua, malpassada ou processada

Comer carne crua ou malpassada aumenta o risco de você contrair infeções causadas por bactérias e parasitas como toxoplasma, e. coli, listeria e salmonela e tênia. Essas bactérias e parasitas podem levar a fetos natimortos ou danos neurológicos graves incluindo retardo metal, cegueira e epilepsia

A maioria das bactérias é encontrada na superfície da carne porem algumas delas estão dentro das fibras musculares. Alguns tipos de corte de carne como picanha, vitela e file mignon só podem ser consideradas seguras se estiverem totalmente assadas (bem passada).

Carne moída de boi, frango ou porco, quibes e hambúrgueres nunca devem ser comidos crus ou malpassados.

Cachorro-quente e frios embutidos também são um problema. Esse tipo de carne pode ser contaminado durante o processo de feitura ou armazenagem.

Gestantes nunca devem comer carne processada a não ser que sejam cozidas até ficarem bem quentes

  1. Ovos Crus

Ovos crus podem estar contaminados com salmonela. Os sintomas da salmonelose são sentidos apenas pela gestantes, e não pelos fetos, e incluem, febre, náuseas, vômitos, dores abdominais (cólicas) e diarreia. Em casos raros, a infecção pode causar contrações uterinas levando a paciente a um trabalho de parto prematuro.

Comidas, que utilizam ovos crus:

  – Ovos mexidos

 – Ovos poché

 – Molho holandês

– Maionese caseira

– Alguns tipos de molhos para salada

– Sorvetes caseiros

A maioria dos produtos industrializados que contem ovos crus pasteurizados e são seguros para o consumo, porém você deve sempre ler o rotulo para se certificar.

Grávidas sempre devem utilizar ovos bem cozidos ou pasteurizados.

5 – Miúdos

Os miúdos são fontes de diversos nutrientes, tais como ferro, vitamina B12, vitamina A e cobre, nutriente que são bons para uma gestante.

Porém, não é muito recomendado a ingestão excessiva de alimentos ricos em vitamina A de origem animal, pois pode causar intoxicação por vitamina A. A ingesta excessiva deste tipo de alimento ainda pode causar altos níveis de cobre que podem gerar defeitos congênitos e toxicidade hepática.

Gestantes só devem comer miúdos 1x por semana.

 

  1. Cafeína

A cafeína é a substancia psicoativa mais consumida no mundo e é encontrada em chás, café, refrigerantes e cacau.

Gestantes são aconselhadas a terem uma ingestão limite de 200mg/dia, o que significa 2-3 xícaras de café.

A cafeína e absorvida pelo corpo rapidamente e passa a barreia placentária chegando ao feto. Tanto o feto quanto a placenta não apresentam a enzima que metaboliza a cafeína, altos níveis deste composta podem acumular-se.

A ingestão de cafeína em excesso durante a gestação pode causas crescimento fetal restrito, baixo peso de nascimento. O baixo peso ao nascer (menor que 2,5 quilos) esta associado a maiores níveis de mortalidade infantil e risco de doenças crônicas na idade adulta, como diabetes e doenças cardíacas.

  1. Brotos crus

Brotos crus, incluindo alfafa, trevo, rabanete e broto de feijão, podem estar contaminados com salmonela. O ambiente úmido para o desenvolvimento desse tipo de alimento e muito favorável para o crescimento desta bactéria.

Por este motive, gestantes são aconselhadas a evitar comer brotos crus, porém se cozidos são  seguros para a saúde.

  1. Alimentos não lavados

A superfície de de frutas e vegetais não lavados ou não descascados pode contem bactérias e parasitas como: toxoplasma, E. coli, Salmonela e listeria. Esses microrganismos podem ser adquiridos tanto pelo solo como pelo manuseio. A contaminação pode ocorrer em qualquer momento desde a produção, processamento, armazenamento, transporte e venda.

Um parasita perigoso que fica em frutas e vegetais é o toxoplasma. A maioria das pessoas que adquire toxoplasmose é assintomática, enquanto a minoria pode sentir-se como se estive tendo um resfriado mais prolongado.

A maioria dos fetos que são contaminados no útero apresentam sintomas ao nascimento, porém sintomas mais graves como cegueira e retardo metal ocorrem mais tarde, no desenvolvimento.

Enquanto gestante, o ideal é minimizar o risco deste tipo de infecção, lavando, descascando e cozinhando essas frutas e vegetais.

 

  1. Leite fresco (não pasteurizado), queijos e sucos de fruta

Leite fresco não pasteurizado, queijos e sucos frescos podem conter bactérias listeria, salmonela, E. coli e campylobacter.

A pasteurização é o método mais efetivo para manter esse tipo de bactéria, sem alterar as características nutricionais dos alimentos.

Afim de minimizar o risco dessas infecções, mulheres grávidas devem comer apenas leite, queijos e sucos de frutas pasteurizados.

 

  1. Álcool

Gestantes são orientadas a evitar totalmente qualquer tipo de bebida alcoólica, devido ao risco de abortamento e natimortos. Até mesmo uma pequena dose pode afetar negativamente o desenvolvimento cerebral do feto. Em casos mais sérios: deformações faciais, defeitos cardíacos e retardo mental.

 

11.Comidas Junk

A gestação é um momento de crescimento rápido, necessitando de diversos nutrientes essenciais como proteínas, folato e ferro, entre outros. Uma coisa importante a ser falada: não é por que você esta comendo por dois, que você deve dobrar o número de calorias. O aumento na ingesta de 300-350 calorias apenas durante o segundo e terceiro trimestre deve ser suficiente.

Comidas processas geralmente apresentam baixo valor nutricional e alto concentração de calorias, açúcar e gorduras saturadas.  O aumento da ingestão de açucares predispõe ao risco de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

Entre em contato conosco

Envie sua mensagem, dúvida, sugestão. Responderemos assim que possível.

Open chat
1
Olá, como posso te ajudar?