Recebendo a notícia e gerenciando medos de câncer de mama

Tantas mulheres que você conhece podem ter tido câncer de mama – amiga e vizinhas, colegas de trabalho, parentes. Parece que toda vez que você se vira, o câncer de mama é notícia no jornal ou na TV. Você pode estar com medo de desenvolver câncer de mama pela primeira vez ou de receber um diagnóstico após uma mamografia. Se você já teve câncer de mama, pode ter medo de uma possível recorrência ou mesmo da possibilidade de que o câncer de mama possa tirar sua vida.

Mesmo que você tenha alguns desses medos, você não necessariamente terá câncer de mama. Se você já teve câncer de mama antes, isso não significa que o câncer irá recorrer. Ainda assim, é normal ter preocupações sobre uma doença sobre a qual você ouve falar e ver ao seu redor com relativa frequência – e que você pode ter experimentado a si mesmo ou através de um ente querido.

O medo do câncer de mama é diferente de qualquer outro – psicólogos e outros especialistas concordam com isso. O medo pode assumir muitas formas diferentes, dependendo de onde você está na experiência do câncer de mama. Entenda que muitos dos seus medos são compartilhados pelos outros. Embora os medos sejam normais, eles são desconfortáveis de se conviver. Nós vamos ajudá-lo a descobrir como você pode gerenciar o medo para que você possa se concentrar em viver uma vida feliz e saudável.

A maioria das pessoas acha que o risco de contrair câncer de mama pela primeira vez é maior do que realmente é. Tente obter uma ideia realista do seu risco do seu médico. Seu risco é afetado por muitos fatores. Muitas pessoas que revisam seus fatores de risco descobrem que o risco é menor do que o esperado. O medo de ser diagnosticado com câncer de mama faz com que algumas pessoas evitem ir ao médico. Mas quanto mais cedo você vir um médico, mais cedo poderá saber qual é a sua situação. Nunca deixe o medo impedi-lo de fazer uma boa escolha quando se trata de sua saúde.

A forma com que o médico informa a um paciente um diagnóstico de câncer faz toda a diferença na adesão ao tratamento. Apesar de a maioria dos especialistas ser treinada para dar más notícias, ouvir e dar diretrizes ao indivíduo, alguns médicos optam por ser mais diretos e despejar um monte de informações, ou seja, não esconder nada.

Entretanto, na opinião da psiquiatra e diretora do Departamento de Psiquiatria/Psicologia do A.C. Camargo Cancer Center, Maria Tereza Lourenço, uma série de fatores importa nessa hora. Informações como se o indivíduo é o único provedor da família, se a paciente está grávida, se é uma criança, adolescente ou um idoso, influenciam como a notícia será dada.

“Simplesmente não dá para chegar e dizer: ‘você tem câncer e as chances de cura são de x%’. É preciso sentir, induzi-lo a fazer perguntas, fazê-lo querer saber mais sobre a doença. Outra coisa que faz diferença é o médico dar um direcionamento, um apoio. Ou seja, ele explica os próximos passos, os exames, as próximas consultas. Assim o indivíduo não fica desamparado e diminui a ansiedade”, diz ela.

Despejar toda a informação não ajuda muito, pois o paciente, na maioria das vezes, não consegue absorver. Isso porque, no imaginário popular, o câncer sempre costuma vir associado a morte e sofrimento. “Não é raro o paciente, ao sair do consultório, ter um branco. Ele não lembra absolutamente de nada e nem consegue passar informações para os familiares”, completa Lourenço. Por isso, é muito importante nunca ir sozinho às consultas.

Após a consulta os pacientes passam por uma espécie de luto, uma avaliação sobre a doença. A maioria das pessoas passa por vários estágios de medo quando são diagnosticadas pela primeira vez. Os estágios e a ordem em que acontecem são muito semelhantes na maioria das pessoas:

Você simplesmente não pode acreditar no que ouviu e negá-lo completamente.

Você fica com raiva do médico que contou a você e a qualquer outra pessoa,

Você apela para um poder superior e pergunta repetidamente: “Por que isso aconteceu comigo?” Ou “O que eu fiz para merecer isso?”

Você se sente resignado, como se não houvesse nada que pudesse fazer para se ajudar.

Você aceita a verdade, por mais difícil que seja, e decide lutar com tudo o que você tem em você.

Uma grande parte do medo do diagnóstico do câncer de mama é toda a incerteza e a sensação de que você perdeu o controle da sua vida – sendo arrastado por uma jornada inexplorada que você não quer fazer.

Acontece que isso não é necessariamente assim. Embora ninguém queira ser diagnosticado com câncer de mama, muitas pessoas em tratamento ou concluídas com tratamento dizem que a experiência as fortaleceu e as ajudou a se aproximarem de suas famílias e amigos e aprenderem mais sobre si mesmas.

Ser diagnosticado nunca é fácil, mas uma vez iniciado o processo de obtenção dos melhores médicos disponíveis, a melhor informação e o melhor apoio que você pode obter daqueles que amam você, você está em boas mãos.

Temas frequentes

Biopsias de Mama

A biópsia da mama é um procedimento médico simples no qual uma amostra de tecido mamário é removida e enviada para um laboratório para teste. A biópsia da mama é a melhor maneira de avaliar se um nódulo suspeito . É importante lembrar que os nódulos mamários nem sempre são câncer.

SAIBA MAIS

Tipos de tumores

EM BREVE

SAIBA MAIS

Estadiamento

EM BREVE

SAIBA MAIS

Open chat
1
Olá, como posso te ajudar?